• Celma Maciel

Parte I - POR QUE NÃO É ACONSELHÁVEL DORMIR JUNTO COM SEU FILHO?

Artigo dedicado principalmente para pais e mães separados.

"Namoro há quase quatro anos um homem de 44 anos, que passou por um processo de separação bem turbulento, a ex-mulher fez de tudo para atrapalhar nossa relação.


Ele tem uma filha de 10 anos que mora com a mãe e vai para a casa do pai alguns dias na semana.


Eu e a menina até temos uma boa relação, mas acontece que em alguns dias ela está na casa do pai e eu não estou, ele permite que ela durma na nossa cama de casal, apesar dela ter o próprio quarto com cama e tudo mais.


Então, nos dias que eu estou com eles, ela fica aborrecida por não poder dormir com o pai, reclama escondido e até chora.


Na cabeça dela, eu sou a intrusa, aquele é o espaço dela, a casa toda é espaço dela, e pra piorar a mãe dela sempre criticou publicamente o fato de eu frequentar a casa nos dias da visita da menina, que eu não deveria ter contato.


A minha enteada já é bem grande, aparenta ter 14 anos, está entrando na puberdade, mas ainda anda de calcinha e sutiã (ela já tem seios, pelos) na frente dele e ele de cueca na frente dela, isso também me incomoda muito.


Eu conversei com ele e disse o problema que isso estava causando na cabeça da menina, que enquanto isso não acabasse ela continuaria a me encarar como uma intrusa, que a cama era o nosso espaço, não dela, mas ele por pena ou covardia não tomou postura.


Depois de muitas insistências, está fazendo com que ela durma na cama dela, ele se deita junto a ela na cama.


...Ela é a joia da vida dele, por isso mesmo ele é sempre tão permissivo e ela por sua vez pinta e borda.

Quero mostrar a opinião de um profissional para convencê-lo de uma vez.


É certo a filha dormir na nossa cama na minha ausência?


É certo ele dormir na cama da filha?


É certo ambos andarem em trajes íntimos um na frente um do outro?"


Esta situação é bastante comum.


O que acontece é que muitos pais por amarem demais, não querem colocar limites nas relações com os filhos, isso complica, pois, os filhos passam a ter comportamentos inadequados aceitos e mantidos pelos pais.


Vamos por parte:


Em separações e divórcios mal resolvidos, quando por algum motivo um dos cônjuges teve suas expectativas frustradas, expectativas podem ser de reatar o relacionamento quando "a poeira baixar", expectativa de que o (a) outro(a) vai ficar sozinho e infeliz ou mesmo expectativas de prejudicar o parceiro.


Se isto não acontece, a parte que se sente prejudicada pode ficar com frustrada e pode querer "se vingar", então começa a mostrar sua imaturidade fazendo intrigas.


O pior é que, muitas vezes, usam o filho como instrumento para "infernizar" a vida do novo casal, com imaturidade tão grande, que e não conseguem perceber que esses jogos só prejudicam a elas mesmas, manchando sua moral e reputação diante da criança.


É questionável como ficam os filhos dessas pessoas, ao perceberem que um dos pais, que deveria ser um exemplo a ser seguido, passa a ser um exemplo a ser evitado, pois, se imitado causaria muita infelicidade.


Não percebem que, em muitos casos, o atual parceiro não está nenhum pouquinho interessado nas histórias do ex e que o verdadeiro objetivo do parceiro atual é investir tempo, energia e sentimento na nova relação.


O que digo aos meus cliente e leitores é que ao invés de revidarem, responderem ou vingarem, utilizem o tempo, energia e sentimento para fortalecer seu novo relacionamento e estreitar os laços com o filho e tenham o objetivo de serem felizes, pois a sua felicidade é o que importa.


Às mulheres, aconselho que usem o tempo que gastariam para responder às intrigas para se dedicar a sua beleza, arrumem cabelo, unha, façam massagem, rsrs!


Uma pessoa com sentimentos de raiva, mágoa e vingança, apenas consegue prejudicar a si mesma.


Ao dedicar seu tempo para pensar em como prejudicar o alvo, a pessoa vingativa se torna, escrava de sua vítima.


O tempo que a pessoa magoada emprega para pensar em estratégias maliciosas, faz com que o inimigo passe a ocupar seu pensamento, sentimentos, comportamentos e sua vida!


Ao descrever isso, gostaria que você compreendesse que ao tentar te prejudicar, a pessoa só se prejudica, pois sua vida não vai mudar por causa dela.

A dela sim, pois, as pessoas só irão reconhecer o porque que seu namorado a deixou e ele também passará a reconhecer os benefícios por ter separado.


Você citou que a filha de seu namorado mora com a mãe, e que visita com muita frequência a casa do pai. Quando você não está presente, ela dorme na cama e quarto do casal, no lugar que hoje é seu.


Sobre este assunto, em primeiro lugar, é importante lembrar que a cama é de Casal, do Casal, e se ela é filha e não uma das partes do par romântico, ela deve estar ocupando espaço errado. Isso quer dizer que, o seu papel e lugar como parte do casal deve ser mantido mesmo na sua ausência.


Este limite é importante para que os filhos saibam respeitar a sua posição como Mulher adulta.


Eles, (ela, no caso) deve respeitá-la como a outra parte do par romântico e sexual. Ela, deve saber que o lugar dela como filha, NUNCA vai deixar de ser dela, que você como namorada e mulher, jamais irá tomar o lugar de filha que pertence a ela, isso é impossível.


Seu objetivo, função, atividade, são diferentes das de filha! Ela precisa saber que filha e namorada requerem sentimentos e relacionamentos diferentes. Por serem papéis diferentes, ela também Jamais irá tomar seu lugar como Mulher.


Deixá-la imaginar que você está "tomando" o lugar dela, causa uma confusão enorme de conceitos, que se reforçada, vai refletir na vida social, amorosa e relacional futura.


Com isso, ela pode entender que o pai apenas está substituindo a pessoa que dorme com ele, por preferir a namorada a ela.


Isso pode fazer com que ela fique magoada e com comportamentos de rejeição direcionados a você.


Ela irá considerar apenas que o pai a tirou do lugar que ela pensava que era dela, não enxergará o relacionamento diferente entre filha/pai e Namorada/ Homem.


Enfim, dormir na cama com o pai pode ativar um comportamento sexual inadequado para idade.    


É importante lembrar que existem outras formas de mostrar carinho, amor e cuidado aos filhos e este não é o mais eficiente.


Se for conversar com a menina sobre os diferentes papéis, explique que pessoas adultas e normais precisam ter relacionamentos românticos, íntimos que sempre haverá uma mulher namorada, que se não for você, haverá outra. Isso deve ser conversado e discutido antes com seu namorado para depois ser transmitida a filha.


Explique que a única coisa que terão que dividir é o tempo dele quando estiverem todos juntos, mas que este poderá ser muito divertido e feliz. 


Diga que fazer intrigas, impor comportamentos de desaprovação só a prejudicará, já que ao invés de ter bons momentos de diversão, ela terá momentos tristes e ruins.


Ter comportamentos para te prejudicar, ou prejudicar o casal restringirá muitas opções de passeios e diversões que poderiam ser oferecidas a ela.


Ao conversar, fale de sentimento, evite expressões com "você sempre faz...", "Você faz...só para me deixa chateada", substitua estas expressões por  "eu sinto...quando...acontece" fale da consequência  "isso me afasta de você".


Continua...

7 visualizações
© 2019 · Celma Maciel. Todos os direitos reservados. Termos de uso e Privacidade.